BLOGGER TEMPLATES - TWITTER BACKGROUNDS »

1º PRÊMIO RECEBIDO DO VEJABLOG - MELHORES BLOGS DO BRASIL

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil BLOG ESIOPOETA

SEGUIDORES

ACESSOS

contador de acesso

ROMARIA PIRAPORA 2013 - ESIOPOETA E AMIGOS

CLIQUE PARA LER O NOVO LIVRO DE SONETOS DE ESIOPOETA- CONTEMPLAÇÃO

COQUETEL DE LANÇAMENTO DO LIVRO DE SONETOS APRENDIZ DA PALAVRA DO POETA ESIO

RECEBA ATUALIZAÇÕES NO SEU E-MAIL

Entre com seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

30 de julho de 2013

Fundação de Piracicaba

Canto II

Fundação




       Para comemorarmos os 246 anos da Fundação de Piracicaba, reparto, com meus amigos do blog, o Canto II de meu Poema "Os Caipiras", onde narro a fundação de nossa querida Noiva da Colina.
      Espero que curtam meus versos. O Poema é um tanto longo mas é histórico e creio que uma leitura dará uma breve noção de como foi o início de nossa História, desde Primeiro de Agosto de 1767.
     A foto é de minha autoria, tirada ao acaso às margens de nosso maravilhoso Rio. 



                       I

Século XVII – era novembro
Do ano noventa e três... Assim começa
O primeiro registro, que ora lembro,
Do que era, com certeza, uma promessa...
Pedro de Calvancati foi o membro
Pioneiro dessa Sesmaria, dessa
Que haveria de ser, toda bonina,
A hospitaleira Noiva da Colina!

                       II

Depois foi confirmada em Régia Carta
Do século XVIII – no ano nove,
Com documentação ainda hoje farta,
(Desnecessário faz que se comprove)
– De Itu a Capitania não se aparta –
E que aos homens de bem tanto comove.
E de Piracicaba a Itu é aberta
Por Felipe Cardoso, a estrada certa!
  
                       III

A Felipe Cardoso a Sesmaria
É doada em nosso Porto altivo e belo,
Há muitos anos ela pertencia
A Manoel Lopes, Branco após Castelo.
Assim num hino pleno de alegria,
O progresso à corrente urdia um elo,
E em sonhos, em desejos, em quimeras,
O futuro alcançava-se em mil Eras!

                       IV

Logo após por Luiz Pedroso Barros
A estrada que conduz a Mato Grosso.
– Sonhos amplos, sublimes e bizarros,
Maiores que de Rodes, o Colosso,
Para passar com bois, pesados carros!...
E assim era traçado tal esboço
De tais fatos que fazem nossa história,
E tudo constatar a imensa Glória!

                       V

Ronca o Salto sublime, majestoso,
Uivo de Deus aberto ao Universo! –
Piracicaba é um Rio amplo, piscoso,
Maior que esta Epopeia posta em verso.
Caindo de um leito áspero, pedroso,
As suas águas vão – rumo diverso! –
Rimas fazer para o grandioso poema
Da Natura, chamado – Piracema!

                       VI

Aqui vivia a tribo dos nativos:
Os índios Paiaguás – fortes guerreiros.
De tão belo local eram cativos
Pois eram habitantes brasileiros.
Dentre os bosques gentis eram esquivos,
E unidos acampavam nos terreiros,
Levando a deus Tupã alegorias,
Ofertas e presentes em magias!
                       
                       VII

São Paulo nos tais tempos já mostrava
Para o Brasil a sua exuberância!
Bandeiras nos sertões ele fincava
Sem medir os entraves da distância.
Assim as Tordesilhas ele arcava
Os limites impostos cheios de ânsia.
As Entradas marcavam suas pistas
Deixando, às vezes, sangue nas conquistas.

                       VIII

Essas almas demais aventureiras
Fecundaram o solo com Cidades...
Pois foram as Entradas e as Bandeiras
Corajosas domando as tempestades
Das sombrias florestas brasileiras.
Agindo, às vezes, com perversidades,
Guerreavam contra as tribos dos nativos
Que dominados, viam-se cativos.

                       IX

Na ânsia suprema do desconhecido
Buscavam encontrar minas faustosas.
E quanto mais o solo era ferido
Rico sangrava em pedras fabulosas.
O ouro brilhava sob o sol brasido
E o chão desabrochando como rosas
Mostrava, qual corola em sangue aberta,
Uma nova jazida descoberta!

                       X

Assim Piracicaba era passagem
Dos bravos e pioneiros Bandeirantes.
Frente ao desconhecido era miragem
Que iluminava todos os semblantes.
E solidificada nessa imagem
Partiam decididos e confiantes,
Para enfrentar engodos e revezes
Que, sorrateiros, vinham muitas vezes...
               
                       XI

Foi em mil setecentos e dezoito
Que os paulistas febris, desbravadores,
Tendo no coração um sonho afoito
Foram buscar as pedras de valores...
Necessário se faz que neste intróito
Recordemos os nomes dos condores
Que co’a coragem própria de homens grandes,
Chegaram ao pináculo dos Andes!

                       XII

Antonio Pires e Cabral Moreira,
João Leme e seu irmão Lourenço Leme,
Antonio Maciel – mente guerreira,
De ouvir tais nomes muita gente treme!
Dias Falcão, Aleixo e a brasileira
Vontade paulistana, que ainda espreme
As tropicais florestas para dentro,
Que é preciso ao Brasil, chegar-se ao Centro!

                       XIII

E quando as minas foram descobertas,
Como de Jericó graves trombetas
Ecoaram pelas amplidões desertas...
Portugal que nos via de lunetas
Quis novamente ter as contas certas
Do quanto de ouro havia nas secretas
Terras mato-grossenses, pois havia,
Mais rico de ficar a cada dia...

                       XIV

O ouro era tanto, que o capim cortado,
Das raízes brilhavam-se as pepitas...
O próprio chão tinha um fulgor dourado,
Vestígio de riquezas infinitas...
O ouro que em Cuiabá foi garimpado
Daria para decorar mesquitas,
E assim foram chegando garimpeiros
Dos mais distantes Pontos brasileiros!
                       
                       XV

E o tempo vai correndo... Quilos de ouro
Vindos de Cuiabá aqui são mostrados...
Antes de prosseguir co’o áureo tesouro,
Os tropeiros ficavam acampados
Na Sesmaria, ouvindo à noite o choro,
Da viola queixosa, que em dobrados
Sentimentais, tocava mil cantigas,
Para lembrar saudades muito antigas...

                       XVI

Morgado de Mateus, Souza Botelho,
Rei D. José, de Portugal, nomeia
Governador do Estado, e como espelho
A refletir mil focos, tem ideia
De criar Freguesias... Dá conselho
Para expandir-se, e assim – qual epopeia –
Nasce Piracicaba com certeza
Pura luz no fulgor da Natureza!

                       XVII

Porém, para povoar a Freguesia
Que seria chamada Vila Nova
Teve dificuldades na porfia,
Porque ninguém queria vir sem prova
Que o Progresso alardeado aqui viria.
Mas distribuindo terras é que aprova
O interesse maior por esta Vila
E assim, tantos percalços aniquila.

                       XVIII

Manda depois que vários moradores
Da Freguesia do Araritaguaba
Abandonem seus fogos, suas flores,
Para virem povoar Piracicaba.
Esses, por serem pobres, sem valores,
Sonhando com promessa mais nababa,
Percorrem o Tietê sobre canoa
Em busca do lugar que estranho soa.
               
                       XIX

Mas eis que chega na localidade,
Vindo de Itu, o Povoador Barbosa...
Homem que tinha muita austeridade,
Esperto como lépida raposa;
Sempre atento a manter a integridade,
Inquire, escuta e inteligente, ele ousa:
Embora seja de labor amargo,
De Diretor ele recebe o cargo!

                       XX

Na confluência dos Rios tão gigantes,
Onde o soberbo Piracicabano
Recebe, do Tietê, as marulhantes
Corredeiras, traçado foi o plano:
No local de belezas tão distantes
Barbosa, com poder de um soberano,
Deveria fundar o seu povoado
Para de Cuiabá ficar ligado.
                                              
                       XXI

Após reconhecer todo o terreno,
Não consegue encontrar felicidade
E reluta ficar... Em gesto pleno
Sonha buscar um’outra propriedade.
Assim em pouco tempo, em breve aceno,
Reúne sua gente com vontade,
Para o Governador manda um aviso:
– “Parto em busca de um térreo Paraíso!...”

                       XXII

Após no barco por as suas tralhas,
Começa a serpentear o Rio imenso.
– “Se for preciso vencerei batalhas,
Que tudo irei fazer como ora penso...”
O inverno vai tecendo suas malhas
E o frio dia a dia é mais intenso.
Até que a seu olhar se descortina
O Salto todo envolto à alva neblina!
  
                       XXIII

– “Aqui! Vamos à margem, à direita,
Que este local parece-me bendito”.
Com seu firme comando tudo ajeita
Enquanto vai fitando o amplo infinito...
O Salto ronca... Um Paiaguá na espreita
Observa o movimento... Ouve-se o grito
De uma assustada e lépida araponga
Que à mata vai, em disparada longa...

                       XXIV

– “Erijamos aqui as nossas tendas,
Que o Rio suprirá as necessidades.
Estendamos além nossas fazendas
E façamos valer nossas vontades...”
Enquanto o Rio vai bordando rendas
Nas suas mais etéreas densidades,
Barbosa com prazer e muito gosto
As bagas de suor – limpa do rosto.

                       XXV

– “Isto é um Éden por Deuses abençoado!
A Piracema há de suprir a fome
Deste povo sem laia e abandonado.
Piracicaba é mais que um belo nome,
E ao porvir há de ser idolatrado!...”
Uma alegria mágica o consome.
Quedando-se a pensar contemplativo
De airoso Sonho torna-se cativo.

                       XXVI

Desobedecendo a ordem recebida
O destemido Povoador Barbosa,
Escolhe uma outra plaga mais florida
Para estabelecer-se... Alva e radiosa,
A sua vista brilha de mais vida
Ao ver a queda d’água voluptuosa
Que do Salto marulha e, em ansiedade,
Vibra seu coração com mais vontade.
  
                       XXVII

Pois oitenta quilômetros acima
Do lendário Tietê, acompanhado,
De uma corja de gente sem estima,
Barbosa faz construir o seu telhado...
A terra é boa e bem melhor é o clima,
Seu desobedecer é relevado
E pela paradísica paisagem
Seus olhos pensam ver linda miragem.

                       XXVIII

Mil setecentos e sessenta e sete!
Era o dia primeiro, o mês de Agosto!
Barbosa, na razão que lhe compete,
Já querendo firmar-se em nobre posto,
E eternizar-se nesse gabinete
Mostra, à razão de um homem bem disposto,
Que oficialmente está reconhecida
Esta cidade que há de ser querida!
              
                       XXIX

Ao chegar dos primeiros habitantes,
Ouviram um rumor – Piracicaba! –
Que quer dizer em todos os quadrantes,
Localidade onde jamais se acaba
O cardume dos peixes esfuziantes.
Cada habitante fez a sua taba
Pois a alimentação tinha em fartura
E a vida aqui sorria com doçura.

                       XXX

“Local onde jamais se acaba o peixe!...”
Piracicaba foi reconhecida!
Assim todos, co’um mundo de interesse,
Neste local vinham tentar a vida.
E a “morada dos peixes”, como prece,
Na obra de Deus mais pura e mais querida,
Foi crescendo em mil laivos de progresso
– Por terras e águas foi criando acesso!
  
                       XXXI

Assim tudo precisa ser construído:
Provisões para erguer-se uma Capela,
Tudo, tudo vai sendo decidido,
Perto do Salto, na visão mais bela,
Deste paraíso que ainda está escondido
E não teve motivo algum de tela
Que inspirasse um pintor em seu carinho,
Como inspirou mais tarde a Miguelzinho

                       XXXII

Depois, por ordens vindas da Coroa,
Piracicaba passa a ser chamada
Vila Nova – e tal nome estranho soa.
Contudo no papel é respeitada;
Enquanto o Salto, no eco altivo ecoa:
“Piracicaba!” em forte voz pausada,
E de maneira contagiante e rara
Pois este é o “lugar onde o peixe para!”

                       XXXIII

Embora tenha um nome, os moradores,
Pelo seu nome antigo ainda a chamam.
Piracicaba brilha em mais fulgores
E por todos seus filhos que já a amam.
Pouco importa que nome dê-se às flores,
Com seus perfumes é que elas recamam...
Se Vila Nova a chamam, sua bruma
De Véu de Noiva a todos mais perfuma!

                       XXXIII

João Manoel da Silva, sacerdote,
Reza a primeira missa na cidade.
E a Virgem dos Prazeres sob archote
Fulgura iluminada em claridade.
Porém, o Capitão, (sem que se note
Em seus olhos um misto de vaidade)
Planeja que o Padroeiro daqui seja
Santo Antônio. Isso é tudo o que deseja.
               
                       XXXV

Mil setecentos e setenta e cinco,
Piracicaba já era Freguesia,
Moradores tratando-a com afinco
O progresso do tempo lhe sorria.
Pequenina, mas bela como um brinco,
Era um recanto cheio de poesia.
Quarenta e cinco fogos entre flores
Abrigavam seus ternos moradores.

                       XXXVI

Após o censo feito e registrado
Para Pacheco Silva diz Correa:
–“Pelo Santo Evangelho respeitado,
Esta lista é a verdade de mão cheia.
Como seu Povoador aqui instalado
Não iria mentir de nossa Aldeia.
Piracicaba cresce em formosura
Com sua gente simples, nobre e pura!”

                       XXXVII

Mas Barbosa rançoso em teimosia
Era sempre o primeiro que brigava.
A voz do Sacerdote ele cobria,
A chicote tratava a gente escrava.
Contra todos demonstra valentia
E inimiga feição de força brava.
Em confrontos e apartes nunca cede,
Ao que busca empecilhos nunca mede.

                       XXXVIII

Nesse tempo o governo de São Paulo
Tem Martim Lopes Lobo de Saldanha
A provocar deslize e muito abalo.
Sua falta de escrúpulo é tamanha
Que a todos trata a patas de cavalo;
Com péssimo caráter, ódio e sanha,
Trava o progresso, brame a hipocrisia,
Mata o ideal de um sonho que floria...
                       
                       XXXIX

Por sua inaptidão e incompetência,
Iguatemi – colônia, é devastada.
Os espanhóis tem firme resistência
Para domá-la à força, na jornada.
Nessa vertiginosa decadência
Piracicaba fica abandonada.
A Iguatemi ligada intimamente,
Não tem como prover aquela gente.

                       XL

Barbosa na influência recebida,
Passa a agir de maneira muito ingrata.
Faz desmandos de forma inconcebida
E a todos por aqui também maltrata.
Mas a fúria de Lobo desmedida
Com Cunha de Menezes desbarata.
Góes Aranha põe fim ao seu governo
Tira, afinal, São Paulo desse inferno.

                       XLI

Foi nesses mesmos tempos que a vontade
Do povo, entre delírios era feita...
Assim sendo, mudou nossa cidade,
Que era colonizada na direita
À esquerda margem... Com felicidade
Toda a população ajuda, ajeita
Novas moradas, novos ranchos, novos
Caminhos para o bem estar dos povos.

                       XLII

Vicente Costa Taques Góes Aranha
Capitão-Mor de Itu está presente
Em tal mudança... em êxtase acompanha
Na travessia os barcos... Frio ingente
De inverno em pleno julho, faz que a sanha
Do povo, comandando por Vicente,
Agrida a mata virgem e que agrida
O solo que à Cidade vai dar Vida!
                       
                       XLIII

E ao fim da luta, imersos em cansaço,
Os homens se reúnem, traçam planos,
Todos unidos em um mesmo abraço
Dissipam dúvidas e sem enganos
As vistas lançam para o largo espaço,
Onde estarão os piracicabanos
No futuro do século vindouro...
– O Rio, ao pôr-do-sol, rebrilha em ouro!...

                       XLIV

E sob a proteção imaculada
Devia ser a Virgem dos Prazeres
Sobre o Altar da Capela colocada,
Em honra da mais pura das Mulheres.
E a Virgem foi com fé idolatrada
Com rosas, lírios, dálias, rosicleres...
Enquanto o velho Povoador Antônio
Nutria ideias com prazer gorgônio...

                       XLV

O Povoador, por ter gosto contrário,
Não quer que a Virgem seja protetora
Desta terra tão linda de cenário...
De madrugada, antes de vir a aurora,
Sorrateiro, soturno, solitário,
Toma a imagem sagrada da Senhora
E, colocando a Santa sobre a espádua,
No Altar coloca Antônio – que é de Pádua!
                      
                       XLVI

Manhã! Rebrilha o sol entre a neblina...
Os humildes e pobres pescadores
Unidos numa paz beneditina,
Juram ter visto entre anjos de mil cores,
Pelo Rio que brilha a alva platina,
Nossa Santa Senhora envolta em flores,
No ponto exato onde formando um arco,
O Rio oculta todo e qualquer barco...
  
                       XLVII

Os místicos de outrora então nos falam
Que Ela daqui partiu ao ser trocada...
Porém, do Povoador, frases resvalam,
Que ele a trocou durante a madrugada.
O mais é lenda... e as lendas assinalam
Que não se deve ter crença em mais nada.
– Se Santo Antônio o Povoador queria,
Ele mandava nesta Freguesia!...

                       XLVIII

João Manoel é o pároco vigário
Mas com Barbosa vive em desavenças,
O que um fala o outro diz logo ao contrário
Chegando a discutir das mesmas crenças.
Assim não suportando tal calvário
E nem a convivência das mais tensas,
Aqui não fica e parte derrotado
Deixando o seu rebanho abandonado.

                       XLIX

Cada vez mais Barbosa, atrabiliário,
Com seu desejo de mostrar comando,
Travou perseguições contra o vigário
E dissensões profundas foi cavando.
Com seu poder mais rude e extraordinário
Desavenças terríveis foi travando.
E contra o absolutismo irreprimido,
Por tais forças Barbosa foi vencido

                       L

Frei Tomé de Jesus chega e é empossado!
E a Freguesia ao pároco faz festa!
Pouco tempo depois sente-se amado
Por esta gente simples e modesta.
O Santo Sacrifício é celebrado
E a multidão à Fé, su’alma empresta.
A Cruz – símbolo mor do cristianismo –
É adorada na força do batismo!      
              
                       LI

Porém, mesmo Barbosa dando a vida,
Ao seu Sonho Maior, sequer recebe
Recompensa ao que fez...  Sua partida
Da cidade que amou não se concebe...
Assim, tendo no peito a alma ferida,
Na última vez, co’as mãos em concha, bebe
Da água do Rio pura e cristalina,
E diz adeus à Noiva da Colina.

                       LII

Vai buscar outras terras, outros campos,
Mas na Saudade ainda contempla o Rio.
Julgando ver milhões de pirilampos
Sente em su’alma enorme calafrio.
Vendo a distância os céus rudes e escampos,
O corpo todo pálido de frio,
Com certeza no amor que não se acaba
–“Eu te amo!” em prantos diz, –“Piracicaba!”
              
                       LIII

Para Mojimirim parte Barbosa
E fica a Vila Nova abandonada.
E quando Taques volta a ver a Rosa
Sente ficar su’alma angustiada.
Assim propõe de forma imperiosa
Que a Vila Nova seja comandada
E frei Lobo com Rocha e com Garcia
Chegam para reerguer a Freguesia.

                       LIV

É que Piracicaba era importante
Às nossas principais autoridades.
Não podendo ficar sem comandante
E um Capitão de muitas acuidades,
Urge para o progresso ser constante
E para dominar contrariedades.
Assim desta cidade todo o povo
Tem para o cargo um comandante novo. 

                       LV

Porém, o arguto Povoador Antônio
Correa Barbosa, já bastante velho,
Sente da morte o respirar gorgônio...
Julgando ver o Rio – etéreo espelho! –
Começa a sentir n’alma o som harmônio
Do momento que reza no Evangelho...
Assim Antônio diz adeus ao Templo
Que ele um dia povoou com grande exemplo!

                       LVI
              
Morre, Antônio, porém, não morre o sonho,
De quem fundou poético recanto –
Morre, Antônio, que um mundo mais risonho,
Encontrarás por certo, em outro canto –
Morre, Antônio, e não fiques tão tristonho,
Porque Piracicaba, com encanto,
Há de viver e viverá tão bela
E cintilante igual qualquer estrela!

                       LVII

Tua missão aqui está completa!
Vai para Deus e fala que a cidade
Que fundaste estará sempre repleta
De um lindo sonho de felicidade;
– Visionário com alma de poeta
Serás lembrado pela Eternidade,
Nesta Cidade ficarás na história
E serás um pináculo de glória!



0 COMENTE AQUI:

Minha Ana Maria e Sissi

Apresentação Poema "O Evangelho Segundo Judas Ish-Kiriot" Loja Maçônica Acácia Barbarense

ARQUIVO

PESQUISAR ESTE BLOG

..