BLOGGER TEMPLATES - TWITTER BACKGROUNDS »

1º PRÊMIO RECEBIDO DO VEJABLOG - MELHORES BLOGS DO BRASIL

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil BLOG ESIOPOETA

SEGUIDORES

ACESSOS

contador de acesso

ROMARIA PIRAPORA 2013 - ESIOPOETA E AMIGOS

CLIQUE PARA LER O NOVO LIVRO DE SONETOS DE ESIOPOETA- CONTEMPLAÇÃO

COQUETEL DE LANÇAMENTO DO LIVRO DE SONETOS APRENDIZ DA PALAVRA DO POETA ESIO

RECEBA ATUALIZAÇÕES NO SEU E-MAIL

Entre com seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

25 de dezembro de 2009

PANTUNS - Pantum da Solidão



Pantum da solidão

A tua ausência – mais que uma saudade,
Mais que meu coração me fere a entranha.
Delírio sufocante de ansiedade
Que traz angústia e sensação estranha.

Mais que meu coração me fere a entranha
Tua presença que se torna ausente.
Que traz angústia e sensação estranha,
À boca um gosto amargo, contundente.

Tua presença que se torna ausente
Faz-me criar canções de dor e tédio.
À boca um gosto amargo, contundente,
É a solidão que tenho por remédio.

Faz-me criar canções de dor e tédio
Esta melancolia que me fere.
É a solidão que tenho por remédio,
Tangida por sofrido miserere.

Esta melancolia que me fere
Lembra um terceto fúnebre de Dante.
Tangida por sofrido miserere,
A minha’alma soluça angustiante.

Lembra um terceto fúnebre de Dante
A hora fatal da tua despedida.
A minh’alma soluça angustiante
Desde a hora que acenaste na partida.

A hora fatal da tua despedida
– Pungente instante de fatal tortura! –
Desde a hora que acenaste na partida
Meu dia transformou-se em noite escura.

Pungente instante de fatal tortura
Feriu-me o coração como navalha.
Meu dia transformou-se em noite escura.
Meu céu azul nublou-se de limalha.

Feriu-me o coração como navalha:
– Tal cicatriz borbulha ainda a sangue.
Meu céu azul nublou-se de limalha
A estrada por seguir tornou-se exangue.

Tal cicatriz borbulha ainda a sangue
E a cada instante sinto que faleço.
A estrada por seguir tornou-se exangue,
Viver abandonado não mereço.

E a cada instante sinto que faleço
Não conseguindo retornar à vida.
Viver abandonado não mereço,
Porém, sozinho, é a estrada a ser seguida.

Não conseguindo retornar à vida,
Sinto que a solidão além me espera.
Porém, sozinho, é a estrada a ser seguida,
E sem ninguém tão triste é a primavera.

Sinto que a solidão além me espera
Hei de sozinho caminhar em luto.
E sem ninguém tão triste é a primavera:
A flor fenece e não madura um fruto.

Hei de sozinho caminhar em luto
Mas é tão triste caminhar sozinho.
A flor fenece e não madura um fruto,
Por certo morrerei neste caminho.

Mas é tão triste caminhar sozinho,
Sinto aflição e sensação estranha.
Por certo morrerei neste caminho
Já que a tortura torna-se tamanha.

Sinto aflição e sensação estranha,
Delírio sufocante de ansiedade.
Já que a tortura torna-se tamanha
E a tua ausência – mais que uma saudade.

29.06.2004


Esio Antonio Pezzato

Gostou? clica abaixo em COMENTÁRIOS e deixe seu recado!

0 COMENTE AQUI:

Minha Ana Maria e Sissi

Apresentação Poema "O Evangelho Segundo Judas Ish-Kiriot" Loja Maçônica Acácia Barbarense

ARQUIVO

PESQUISAR ESTE BLOG

..