BLOGGER TEMPLATES - TWITTER BACKGROUNDS »

1º PRÊMIO RECEBIDO DO VEJABLOG - MELHORES BLOGS DO BRASIL

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil BLOG ESIOPOETA

SEGUIDORES

ACESSOS

contador de acesso

ROMARIA PIRAPORA 2013 - ESIOPOETA E AMIGOS

CLIQUE PARA LER O NOVO LIVRO DE SONETOS DE ESIOPOETA- CONTEMPLAÇÃO

COQUETEL DE LANÇAMENTO DO LIVRO DE SONETOS APRENDIZ DA PALAVRA DO POETA ESIO

RECEBA ATUALIZAÇÕES NO SEU E-MAIL

Entre com seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

16 de junho de 2010

PALAVRAS - Versos Brancos





Palavras
Palavras
Palavras

Palávoras
Árvores
Não te arvores, árvores,
Não, árvores, não te arvores.

Eis a palavra pulsando
Pulsante
Vibrante
Enigmática
Pragmática

A metafísica dos números das palavras
E a inconsistência física das noites e dos dias
Que passam, passam, passam,
Escandindo sonhos, solapando rimas,
Escanhoando ilusões. A grande metafísica
Deste mundo é a ilusão que me cerca.

Eu sou o poeta e neste momento de sonho
Palpito-me em palavras para poder sair
Em busca da defesa para minhas verdades.

Minhas verdades são palavras feitas
Minhas verdades são palavras inventadas
E não me entendo
E nem consigo me fazer entender.

O pensamento raia o absurdo
O absolutismo é uma razão imponderável.

A noite traz mistérios e as palavras não conseguem desvenda-los

Eu me concentro em busca do ato de desvendar
Mas sou somente palavra retida na retina do segredo do mistério.

Corro os olhos e a mente alucinada
Corre desvãos de escada degrau por degrau.

Eu sou o poeta que pensa, pensa, pensa e nada diz,
Em suas verdadeiras mentiras ocas e sem rimas.

Tanto que paro de escrever

É o delírio
O delírio
Delírio
O delírio
É o delírio
E o delírio
O delírio
Delírio
O delírio
E o delírio?

Capto a alma da noite para cavalgá-la
E pelos campos sem fim do cosmos e da vida
Vou amalgamando sonhos
E a alma
E a lama
É a lama da alma. Fecho a mala
E ponho-me num caminho pelos rumos sem fim
Onde sou e como vou vencendo léguas de silêncios em silêncio.

O espírito acomodado lentamente sacoleja meu corpo
E minhas carnes estremecem o espírito impalpável que me domina.

Eis a noite o silêncios o lírio e o delírio,
Eis a sombra, a fúria, a calma,
Os tigres gritam da toca da noite
Os tigres gritam urram os leões
Os grilos saem da toca para alucinarem a noite
Os pirilampos saem da noite para iluminarem vagas
Os escorpiões saem da toca para incendiarem a noite com picadas.

Pelas picadas passo adentro, adentro a noite
E atiro flechas de olhares ao redor do labirinto
E não sou eu
E sou eu
E não sei quem sou
E não me entendo
Não me decifro
E esfinge me devoro.

Sou uma curva dentro da distância que meu olhar contemplo!

Sombras
Sombras
Sombras


A caminhada se alonga à medida que as curvas vão se definindo frente aos passos
A caminhada é longa para a vida que com as vistas turvas vão se diluindo de repente
A espaços

A madrugada silenciosa monja
Licenciosa monja
Libidinosa monja
Anda perdida pela varanda
Dos meus olhos que vão seguindo interminavelmente
A longa e tenebrosa jornada dos traços riscados com giz dentro da noite.

Eu sou o Poeta que navega frente a tudo
O olhar infinitivamente agudo
Olha de fresta
Para ver o que resta.

E o que na verdade resta?
Uma sombra dentro das muitas sombras
Que são sombras e fantasmas
E tudo me assombra
Dentro desta sombra.


Assim a sombra pela noite através das palavras
Vai caminhando sempre em vão para um rumo desconhecido.
Assim a noite entrelaçada em galhos e ramas e sentenças
Vai ardilando sempre o vão das estrebarias onde sonhos nascem
Assim a noite abraçada a traições vai buscando calvário onde os sonhos
E as verdades são crucificadas.
Assim eu vou pensando pelos passos apressados que vão passando
Juntamente com meus apressados passos
Que dão pés em laços
Assim vou caminhando pois é o destino que me pôs à vida,
Assim vou caminhando pois é o destino que me impôs à vida,
Assim vou caminhando pois é o destino que transpôs a vida
Em sílabas musicais que se repetem, se repetem, se repetem,
Se repetem, se repetem, se repetem, se repetem, se repetem,
Se repetem...

Eu me repito e me volto e me vejo e me fito
E me contemplo em horas dias meses séculos
Desde ontens perdidos e vãos
Ao vão dos dias ainda amanhãs.

Eu sou o Poeta que através das palavras
Vou me fazendo entender
E me entender
Até que me canso
E ponho-me em descanso.

Eis a noite que se apodera
E os meus braços prendem meus desejos.
Eis a cadeia para a prisão perpétua
Dos meus libidinosos desejos
Pornográficos.

E eu aqui tentando em liras
Fazer liras
E me tiras
Ocas mentiras

(Meus desejos saem das fúrias
Tocam mentes puras com impurezas
E minha alma vive sempre na linha de frente
Para ser condenado)

Abro meus olhos
Abro meus passos
Abro meus braços
Abro minha mente.
Eternamente sou assim
E vivo aqui
Olhando ali
Como bomba tenebrosa
Eis-me aqui!
Fitando o ali
Daqui vejo o sol
Daqui vejo o dali.

Salvador. Salvador daqui
Salvador de lá.

Estou grog com vam como dog
Como gogh
Eis o sinal do tempo.

Abro tudo.
As cortinas dos meus olhos se abrem
E o palco do espetáculo da vida se ilumina.
Faltam os atores.
Só me resta aqui o autor do que penso
Do que imagino
Rodrigueanamente, pliniamente,
Qorposantamente.

Que medo,
Que tredo,
Que azedo.
– Puta! –

Alucinado os passos ponho frente a frente, frente a frente
E desvairado vou cantando passo a passo, passo a passo a passo,
Para chegar ao final do nada.

Eis a escada
Sobe
Vão
Sobe
Vão
Sobe
Vão
Sobe
Vão
Sobe
Vão
Sobe
Vão.

A mão corre o corrimão debruado de verniz.
Eis o alto do nada para um outro plano.
Eis o sólio do espectro
Eis o Oriente
Em quatro passos
E outros três para o trono.

Eis que posso ver a Estrela
Eis que posso ter um tombo maior
Eis que outros iguais a mim
São igualmente iguais a mim
Que sou igual a mim.

Tudo tão diferente
Tão frio, insensível,
Tudo tão normal
Trivial.

Eis passo a passos os passos neófitos,
Eis traço a traço os riscos diabólicos,
Eis a conclusão do nada
E o final de tudo
Mudo
Mudo
Mudo
Mudo
Mudo
Mudo
Mudo.
– Mudo as coisas de lugar
Mudo às coisas tolas.

Estou aqui
Compondo
Sonhando, sonhando, sonhando,
Os olhos rondo
Por tudo
E fico mudo e mudo
O meu silêncio
E me penitencio.

Agora estou sem tempo
E onde encontrar o tempo que é sempre o mesmo
E está todos os dias aqui ao nosso redor
Compondo sinfonias de horas minutos segundos
Semanas meses anos
Décadas séculos milênios?
Onde anda o tempo se ele é tão veloz
E não passa?

Atroz incoerência o tempo passa
Passa parado
E vagarosamente
Um trem chamado Vida
Passos pelos trilhos de sua existência.

O tempo cheio de contratempos não passa
E nós não nos vemos ficar

Não ficamos
Passamos
Somos pois nós os verdadeiros
Passageiros do tempo
Nós passamos e raramente dobramos o século...

Eis o tempo avançando
Novamente avançando
Para nos tirar daqui.

Assim é o natural
Natural que seja assim portanto
Entretanto
Entre canto.

Entretanto
O meu canto continua
Rapidamente
Sem tempo medido
Sem raciocínio
Que possa ser medido
Pois continua rapidamente
Passando e passando
E passando a musicalidade...

Do fundo do mais fundo o pensamento grita
Profundo o meu lamento se agita
Sou egoísta a tudo o que me cerca
E saio sorrateiro
Como um gato sobre o telhado
Adilando vítimas.

Sou o poeta que procura
Dentro da noite
Paradigmas
Enigmas.
Os signos falam por mim
As colunas falam por mim
Os mosaicos falam por mim
O Ocidente fala por mim
Os vigilantes falam por mim

Sem direito à Palavra
Balbucio sílabas – jaquim.

Sou o aprendiz do verso
Que procura ainda
Uma rima em ao
Um rima em or
Uma rima em ar.

Coração
Cor
Amar

Emoção
Amor
Sonhar.
De repente tudo
O que antes era grito
Fica mudo
O agito
Silencia
Se cala
A poesia.
Torna-se quieta
E o poeta
Com a rima sua
Fica olhando a lua
Do meio da rua.

Uma imagem torta
Que parece morta
O poeta vê.
Dos quartetos
Dois tercetos
Faz o seu soneto
Que perfeito crê.

De repente o verso
De repente imerso
De repente é nada
De repente o dia
Morre na agonia
Morre a Poesia
Rompe a madrugada.

De repente a voz
Antes soberana
Torna-se atroz.
E me sei mordaz
Quanto mais voraz.

Eis a minha lira
Tangida à mentira
Eis o verso mudo
Que se cala tudo.

Sorrateiro sou gato sempre na espreita
Sou um gato. Um gato sempre sabe
A hora de atacar. Um gato
É ardiloso. Fica na espreita para
Atacar. Nunca falha em suas
Atacadas. Raramente se vê um gato
Miando alto alardeando a sua
Presença. Diferente do cão o gato
É silencioso. Eis o gato
Eis a palavra. Eis a rima
Eis o Poeta.

Eis a vida a morte o sonho o pesadelo
A mensagem falada escrita muda fechada num livro
O sonho a mentira a egocentricidade
O melodrama o drama a trama.
Eis tudo
Eis nada
Eis não sei o quê.

(Teu corpo
– Nuvem! –
Nu vem, nu vem, nu vem
Como nuvem
Encharcar meu corpo)



Esio Antonio Pezzato

0 COMENTE AQUI:

Minha Ana Maria e Sissi

Apresentação Poema "O Evangelho Segundo Judas Ish-Kiriot" Loja Maçônica Acácia Barbarense

ARQUIVO

PESQUISAR ESTE BLOG

..